A importância da vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano

capa-8.jpg

 

A água pode veicular várias enfermidades por diferentes meios. E o meio mais lembrado quando falamos nesse assunto é o da ingestão, ou seja, quando alguém bebe água e ela contém algum tipo de componente que seja nocivo à saúde.

Porém, não podemos esquecer que existem vários meios de propagar doenças que são relacionadas à falta de vigilância e controle de qualidade da água, como por exemplo, a sua quantidade insuficiente, que acarreta hábitos de higiene precários, e acaba atraindo doenças. Outro meio muito importante é a água em seu ambiente físico, que proporciona condições para a reprodução de vetores e reservatórios de doenças. Podemos citar a água contaminada por esgotos, que pode servir de habitat para o parasita que causa a esquistossomose, a água limpa empoçada também pode servir de habitat para vetores de doenças como o Aedes aegypti, transmissor de várias doenças como a Dengue, Zika Vírus e Chikungunya.

Ou seja, tanto a qualidade da água como sua quantidade e a regularidade em seu fornecimento são fatores determinantes muito importantes quando falamos em enfermidades que atingem o ser humano.

A insuficiência de água pode resultar em deficiências na higiene, o que pode levar ao acondicionamento de água em locais inadequados, podendo tonar esses recipientes ambientes para procriação de vetores de doenças. A escassez de água também leva as pessoas a buscarem fontes alternativas de abastecimento, que na maioria das vezes constituem potenciais riscos à saúde.

O abastecimento de água para a população

Sistemas de abastecimento são obras que visão assegurar o conforto da população e também se tornar parte da infraestrutura de uma cidade, esses sistemas de abastecimento buscam antes de qualquer coisa superar esses riscos eminentes de saúde impostos pela água.

O princípio de qualquer sistema de abastecimento de água para consumo humano é a escolha do manancial que irá suprir esse sistema. Ele deve ser livre de contaminantes naturais, mas principalmente protegido contra contaminações químicas ou biológicas provocadas por várias atividades indevidas.

O controle da qualidade da água que é distribuída continua com a escolha de um tratamento adequado. Todas as etapas do tratamento são importantes e constituem um risco potencial de comprometimento da qualidade da água, por isso devem ser encaradas como visão de saúde pública.

Por esses motivos o controle da qualidade da água que deve ser exercido pelas unidades de abastecimento, tanto quanto a vigilância por meio dos órgãos de saúde pública, são essenciais para a garantia de proteção à saúde dos consumidores.

Para auxiliar nesse processo a Lei das Águas, criada em 1997, tem como objetivo promover a disponibilidade de água e a utilização racional e integrada dos recursos hídricos para a atual e as futuras gerações. Porém, já ficou evidente que a lei não acompanhou muito bem o crescimento desenfreado da população.

Vale também lembrar que é indispensável a participação da população, que deve sempre se atentar a não deixar água acumulada e também as empresas, que devem tratar com responsabilidade social e ambiental seus resíduos.

Fonte: Ministério da Saúde

CTA_facebook

Tags: água, qualidade da água, vigilância da água