As diversas modalidades de tratamento OnSite

Tratamento de Efluentes Operações Dedicadas Tratamento OnSite

14 de Junho de 2016

Quando as indústrias ou empreendimentos comerciais geram grandes volumes de efluentes, fica inviável enviá-los para centrais de tratamento de terceiros. Nesse caso, é preciso entender as necessidades específicas de cada cliente e oferecer soluções personalizadas.

Diferente da solução OffSite, no qual os efluentes são coletados no cliente e transportados para estações de tratamento da Nova Opersan, a solução OnSite fica responsável pela gestão ambiental e todos os processos relacionados ao tratamento de águas e efluentes dentro da planta do cliente, o que pode incluir a construção da estação com investimento da própria Nova Opersan. Desta forma, o cliente fica tranquilo, tendo uma equipe totalmente competente cuidando de todo o ciclo da água em suas instalações, seguindo a legislação ambiental.

Sempre visando a melhor solução para cada cliente, a Nova Opersan oferece 5 tipos de modalidades dentro do tratamento OnSite, sendo eles:

BOT (Build, Operate and Transfer):

Nesta modalidade o cliente ainda não possui o sistema necessário para tratamento de águas e efluentes. Sendo assim, a Nova Opersan desenha e constrói a solução técnica ideal, usando investimentos próprios, ou seja, o cliente não precisa imobilizar capital na construção do projeto. O pagamento é feito via uma tarifa mensal, que pode ser fixa ou por volume, que começa a ser feita apenas após a implantação do sistema.

No BOT a Nova Opersan é responsável por todo o processo durante o período determinado em contrato, após esse prazo a planta é transferida para o próprio cliente.

BOO (Build, Own and Operate):

Bastante parecida com o BOT, a modalidade BOO consiste em a Nova Opersan desenhar e construir a solução técnica adequada, sendo também responsável por todo os investimentos, com o diferencial que o cliente decide não optar pela transferência da planta.

Ou seja, no BOO o sistema continuará pertencendo a Nova Opersan, que será responsável por toda a operação e manutenção após a implantação do sistema.

AOT (Acquire, Operate and Transfer):

Diferente das outras duas modalidades citadas acima, no AOT a Nova Opersan não irá desenhar e construir a estação, mas sim adquirir do cliente os sistemas de tratamento em construção ou já implantados, ficando responsável por toda a operação e manutenção, transferindo ao cliente a planta ao final do contrato.

AOO (Acquire, Own and Operate):

Trazendo as características do AOT, na modalidade AOO a Nova Opersan também irá adquirir do cliente a estação em construção ou já implantada, ficando responsável pela operação e manutenção.

Porém, nessa modalidade a planta não será transferida ao cliente, permanecendo sob responsabilidade da Nova Opersan.

O&M (Operate and Maintenance):

Diferente das outras modalidades, no O&M a Nova Opersan irá apenas realizar a Operação e Manutenção dos sistemas de tratamento, sem adquirir a estação.

Ou seja, nesse modelo de negócio o cliente já deve ter uma estação própria implantada, contratando a Nova Opersan que irá disponibilizar equipe para operação e manutenção. Em caso de estruturas simples, esse serviço também pode ser prestado remotamente. 

 

Contamos com uma equipe especializada, que sempre irá propor a melhor solução para a realidade de cada cliente.

http://info.opersan.com.br/a-import%C3%A2ncia-da-escolha-certa-do-tipo-de-tratamento-de-efluentes

COMENTÁRIOS

Resultado da busca