Energia é obtida do esgoto em pesquisa americana

Tratamento de Efluentes Tratamento de Resíduos Industriais

21 de Outubro de 2013

A cota natural de recursos do planeta para este ano foi esgotada em 20 de agosto. Ou seja, tudo o que estamos consumindo desde então está sobrecarregando o meio ambiente e seus recursos. A ONG Global Footprint Network afirma que a Terra precisaria ter 50% mais recursos para sustentar o atual padrão médio de consumo da humanidade.

Como esses recursos simplesmente não surgem do nada, iniciativas como a dos cientistas americanos, que estão estudando uma forma de transformar esgoto em energia, são bem-vindas. Uma equipe de engenheiros da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, desenvolveu um método que utiliza micróbios para obter eletricidade a partir da água residual.

O objetivo é usar essa técnica em estações de tratamento de esgoto para neutralizar os poluentes orgânicos em "zonas mortas" de lagos e mares, nos quais a vida marinha já foi sufocada pelo deságue de fertilizantes que extingue o oxigênio.

A ideia é animadora, mas por enquanto, a equipe ainda trabalha com um protótipo do tamanho de uma pilha D, que consiste em dois eletrodos - um positivo e um negativo - mergulhado em uma garrafa de água residual, cheia de bactérias.

Na pesquisa, foi observado que conforme as bactérias consumiram a matéria orgânica, passaram a se concentram em torno do eletrodo negativo, expulsando os elétrons, que foram capturados pelo eletrodo positivo.

Os cientistas chamam o processo de pesca de elétrons. "É possível ver que os micróbios constroem nanofios para descarregar o excesso de elétrons", explicou o engenheiro ambiental Craig Criddle, um dos principais autores do estudo, que foi publicado no Academia de Ciências dos Estados Unidos, a Pnas (Proceedings of the National Academy of Sciences), em reportagem do jornal Folha de São Paulo.

Essas bactérias são conhecidas como exoeletrogênicos e vivem em ambientes anaeróbicos (sem ar) e são capazes de "respirar" óxidos de minerais no lugar de oxigênio para gerar energia.

Segundo os pesquisadores, esse método consegue aproveitar cerca de 30% da energia potencial dos efluentes líquidos, que é a quase a mesma taxa dos painéis solares disponíveis no mercado. Há menos energia potencial disponível nas águas residuárias do que nos raios solares, mas todo esse processo tem um benefício adicional: ele também faz o tratamento da água. Isto significa que o método pode ser usado para compensar parte da energia usada atualmente pelas estações de tratamento de esgoto.

São pesquisas como essa que mostram que a sustentabilidade é o melhor caminho para que os recursos disponíveis em nosso planeta durem o ano todo. Você conhece outras iniciativas como essa? Compartilhe conosco nos comentários.

COMENTÁRIOS

Resultado da busca