Busca por Empreendimentos Verdes Cresce no Brasil 6 de Maio de 2014

Morar ou trabalhar em um local ambientalmente sustentável já não é um projeto de vida futurista. Além de serem economicamente atrativos, os chamados empreendimentos verdes reduzem os custos operacionais e colaboram com o meio ambiente, valorizando o imóvel para uma eventual revenda. Mas você sabe o que são edifícios verdes? 

São aqueles que economizam recursos naturais, fomentam a economia local possuem o selo LEED (Liderança em Design,  Energia e Meio Ambiente). Criado em 2000 pelo Conselho de Construção Sustentável dos Estados Unidos (USGCB), a certificação tem como objetivo orientar a construção civil em quesitos como energia, reaproveitamento de água e descartes de materiais. Cada quesito vale pontos: neste quadro, um prédio deve atingir o mínimo de 40 pontos para atingir determinada faixa do selo, classificado em LEED Certified, Silver, Gold e Platinum.

LEEDPrédioVerde

Para se ter uma ideia, o Brasil já está em quarto lugar no ranking mundial de países que registraram empreendimentos verdes, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, China e Emirados Árabes. O Estado de São Paulo é o campeão desses prédios no Brasil, possuindo 80 edifícios certificados dos 200 existentes no país. Em geral, são hospitais, escolas, bancos e supermercados na lista. Apesar do número crescente de certificações LEED, tais empreendimentos representam apenas 1% dos lançamentos imobiliários.

Empreendimento Verde: confira algumas das características desse tipo de edificação

A tecnologia veio para preencher as lacunas causadas pelas necessidades ambientais. Com a ajuda de softwares, engenheiros e arquitetos conseguem estudar – pela posição do imóvel – o fluxo dos ventos e a incidência da luz, além de agredirem o mínimo possível o ambiente. Outras características de um empreendimento verde são:

Energia: neste quesito, alguns fatores que contam pontos para que um empreendimento se torne verde são o melhor aproveitamento da luz natural; o uso de lâmpadas de alta eficiência energética; ar-condicionado projetado para menor consumo e fontes alternativas como energia eólica ou solar. A redução na conta de luz, com a implementação dessas mudanças, pode chegar a 30%.

Descarte de materiais: prédios verdes têm seu lixo coletado separadamente para cada finalidade. Com o descarte correto, há a redução de até 80% na emissão de resíduos sólidos.

Madeira: este material, quando presente nas construções que contam com o selo LEED, é oriundo de regiões certificadas e de reflorestamento.

Controle do fluxo de água: a captação da água da chuva e sistemas de reúso que chegam a economizar 50% no uso de água potável também são características importantes dos empreendimentos verdes. A reutilização da água pluvial e reúso de efluentes sanitários gerados no local, neste sentido, deixam de ser descartados no meio ambiente, já que os efluentes tratados são reutilizados em necessidades como lavagens de pisos, limpezas, descargas e outros fins. As Estações de Tratamento de Esgoto não ocupam muito espaço na área e podem ser planejadas de acordo com o projeto arquitetônico do local, com paisagismo e zero de odor. A economia de um empreendimento que opta por essa solução, pode alcançar, em média, uma redução de 20% a 30% na conta de água. Se a construção de uma estação própria não for viável ou vantajosa para o negócio, uma ótima alternativa é a terceirização do processo, ou seja, encaminhar o efluente para uma estação de tratamento.

Além de todos esses quesitos, um prédio verde deve oferecer ainda praticidade para os usuários, como bicicletários (para incentivar quem vai trabalhar de bicicleta) e vestiários para um banho antes do trabalho.

Para quem está pensando em investir em um prédio verde, os custos na construção são em média de 1 a 7% mais caros. Por outro lado, o imóvel tem uma valorização de 10 a 20% na revenda - sem contar os benefícios para a imagem de uma empresa ambientalmente responsável e para a economia do morador.


COMENTÁRIOS

Resultado da busca