Avanços no Saneamento Básico ao Longo da História Contribuíram para Melhorar a Qualidade de Vida do Homem

Reúso de água Como Preservar o Meio Ambiente Danos Ambientais

21 de Maio de 2014

A noção de saneamento básico sempre esteve intimamente associada à evolução dos conglomerados humanos. A cada momento em que a vida das pessoas era prejudicada de alguma forma pelos rejeitos causados por elas mesmas, novas iniciativas em saneamento básico foram se desenvolvendo. A preocupação com a qualidade da água ingerida e qual destino dar para os rejeitos, dentre outras questões, são fatores que surgiram à medida em que as pessoas foram identificando como isso poderia melhorar suas vidas. Neste post, queremos te convidar a fazer uma rápida viagem pela história de como o saneamento foi evoluindo com a humanidade, assim como seus desdobramentos para nossa realidade atual. Acompanhe!

E, no começo, era pouco

neolitico

Acredita-se que as primeiras ações rudimentares que podem ser associadas ao saneamento básico tenham surgido no chamado período neolítico, junto com os agrupamentos dos homens em aldeias. Na época, os dejetos começaram a ser separados em um local específico. A população mundial, no entanto, era pequena, com isso a quantidade de detritos era insuficiente para causar alterações ambientais siginificantes.

Com as cidades, é preciso inovar

O primeiro sistema de abastecimento de água surgiu na região da Assíria (às margens orientais do atual mar Mediterrâneo) em 691 a.C. Já na região onde atualmente é a Índia, o vale do Indo, a cidade de Harappa desenvolveu o primeiro sistema de água encanada, com tubos de cerâmica. Outra civilização conhecida por suas sofisticadas estruturas aquavirárias foi a egípcia que, já no seu antigo império, iniciou os experimentos para irrigação. Os povos orientais desenvolveram técnicas de filtragem por capilaridade, usando um tecido para tirar água de um pote e levá-la a outro, mas sem a sujeira.

assiria                                                                                                              Assíria

 

Os famosos banhos públicos romanos

Talvez, um dos maiores símbolos do advento das cidades antigas tenha sido Roma, que surgiu em 753 a.C. e foi uma das maiores da antiguidade. Com esse crescimento da população urbana, o estabelecimento de vias públicas e cada vez mais casas, era preciso atentar para o fornecimento de água e recolhimento de esgoto. Roma tinha onze aquedutos e um extenso sistema de esgoto. Porém, hábitos que julgamos pouco higiênicos hoje em dia eram comuns. Um dos principais: os banhos públicos. Em locais parecidos com grandes piscinas, por vezes termais, os romanos compartilhavam a mesma água para banhar-se. Estima-se que em 300 a.C. haviam pelo menos 300 locais como esse. As mulheres se banhavam pela manhã e os homens pela tarde.

                                                                                                                          
rom   arquitermban1   2407133                                                  Banhos Públicos Romanos                                                                        Aquedutos

 

Crescimento desordenado e insalubridade nas ruas

O saneamento básico não está ligado apenas às tecnologias, mas também à cultura. É provável que um dos momentos da História que mostram isso melhor seja a Idade Média na Europa. Costumes como a pouca frequência de banhos, os banhos com água compartilhada e o descarte de dejetos em vias públicas contribuíram para a proliferação de vetores (animais transmissores de doenças) e podem ter sido responsáveis por uma das maiores tragédias da História: os surtos de Peste Bubônica que mataram cerca de um terço da população da época no século XIV. Enquanto isso, do outro lado do oceano Atlântico, a civilização Quinchuas (que existiu entre os séculos XIII e XVI) já possuía sistemas de fornecimento de água e de recolhimento de esgoto bem mais sofisticados.

Melhorias que levaram a mais problemas

As crises levaram os governos a investirem em pesquisa. Com isso, começaram as pavimentações das ruas, o desenvolvimento de canais de drenagem mais eficientes e, inclusive, a invenção do vaso sanitário em 1596, com sua primeira versão em cerâmica feita apenas em 1883. Porém, o progresso incentivou o êxodo rural. Durante a revolução industrial, as casas foram se tornando cada vez mais populosas e doenças como cólera e febre tifoide aumentaram. Estudos como o do cientista francês Louis Pausteur, ajudaram a pressionar pelo investimento maior em saúde pública. Aliás, foi em 1842 que surgiu a primeira lei de Saúde Pública do mundo, na Inglaterra.

Não faz tanto tempo assim

Com a ampliação do acesso a uma água de qualidade e com estruturas melhores de despejo, o banho se popularizou no século XIX. O desodorante só foi inventado em 1907 e a primeira escova de dentes em 1950. Já o conceito de coleta seletiva, para tentar diminuir a quantidade de lixo produzido – e os problemas em consequência dele -, só surgiu na segunda metade do século XX. Mesmo século em que foi desenvolvida a técnica de tratamento de água, permitindo a recuperação de mananciais contaminados.

A evolução continua...

Apesar de tudo isso, não se engane em pensar que a falta de acesso ao saneamento básico é um problema pré-histórico. Segundo dados da Organização das Nações Unidas, em 2015 serão 2,4 milhões de pessoas no mundo sem acesso ao mínimo de condições desse sistema de primeira necessidade. No Brasil, 27 milhões de pessoas não têm rede de esgoto em suas casas. Se as técnicas e tecnologias permitiram uma vida mais confortável e saudável para todos nós, os desafios se renovam a cada momento histórico.

 

Como você acha que o saneamento básico melhora a sua vida? Na sua opinião, quais as alternativas para construirmos um futuro melhor com saneamento para todos? Deixe seus comentários e participe deste debate conosco!

 

COMENTÁRIOS

Resultado da busca