Sistema de Gestão Ambiental (SGA): saiba o que é e como adotá-lo 5 de Junho de 2014

Antes de saber como implementar um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) eficiente em sua empresa, queremos te convidar a responder duas perguntas essenciais: você sabe o que é um SGA? Sabe por que é importante que empresas dos mais diversos setores se preocupem com a questão? Na busca por um modelo de desenvolvimento sustentável, os empreendimentos têm incorporado metas ecologicamente corretas à sua cultura empresarial, o que perpassa diretamente o assunto do nosso post de hoje. Confira:  

O que é um SGA?

Os Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) são a reunião de todas as estratégias, ações e precauções tomadas pela empresa no sentido de minimizar o impacto de suas atividades na natureza e também com o objetivo de melhorar essa relação entre a empresa e os demais agentes da sociedade. Dessa forma, o conceito engloba desde uma política de reaproveitamento de água em uma grande mineradora até ações simples como cartazes informativos sobre coleta seletiva - tudo faz parte da implantação do SGA rumo a um negócio verde.

Porém, estabelecer um bom SGA não é tão simples quanto parece: por este motivo, há padrões estabelecidos para avaliar o uso desses sistemas nas empresas, o que certifica a qualidade dos mesmos. Para discutir exatamente como desenvolver um bom SGA, gostariamos de saber uma coisa, você sabe o que isso significa para sua empresa?

Afinal, por que adotar um SGA?

As razões são variadas, mas talvez uma de maior destaque seja: porque esta é uma realidade mundial. A preocupação com uma relação cada vez mais sustentável entre empresas e o meio ambiente tem sido, há anos, constante tema de congresso, convenções, debates e acordos. Assim, a outra ponta da cadeia, ou seja, o consumidor, também está cada vez mais exigente com fornecedores que comprovem seus esforços na minimização dos impactos no meio ambiente.

Outro ponto importante sobre o porquê implementar um bom SGA é que, geralmente, ele diminui os custos de produção. Muitos itens do sistema visam diminuir os desperdícios de recursos naturais que incidem nas contas da empresa como economia. Pense no exemplo citado acima: imagine que, ao invés de pagar por X litros de água todos os dias para seu processo produtivo, seja possível reaproveitá-la e, assim, passar a pagar pelos mesmos X litros em um período maior, por exemplo, por mês. Bem mais em conta, certo? Isso tudo sem contar que a destinação correta de rejeitos pode torná-los em insumos comerciáveis. Um lixo não separado vai direto para o aterro sanitário, enquanto, caso o vidro, o plástico, o papel e o metal estejam distintamente organizados, podem ser vendidos a outras empresas encarregadas de reciclagem, por exemplo.

Dentre as várias vantagens de um SGA bem executado, podemos citar ainda a melhoria da imagem da marca no mercado, o aumento da competitividade e a prevenção de ações judiciais de cunho ambiental contra a empresa.

Por onde começo?

A principal base de referência para a implementação dos Sistemas de Gestão Ambiental é a ISO 14001, instituída pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Esta norma é internacionalmente aceita e estabelece uma metodologia sobre como colocar um SGA eficiente em operação. Ou seja, é o conjunto de orientações que define o “como” na adoção de um Sistema de Gestão Ambiental.

Mas não basta decidir pela implantação, tomar a norma como base e simplesmente implementá-la. Por estarem diretamente ligados à cultura corporativa, os SGA são investimentos que demandam muita paciência, persistência e rigidez em sua aplicação. Mudar o modo como as pessoas estão acostumadas a trabalhar requer um comprometimento profundo e uma sólida visão de longo prazo.

Uma das metodologias de implantação dos SGA mais usadas é o chamado “Ciclo PDCA”, que é um processo contínuo formado por fases interdependentes e agregadoras. São elas Planejar (como será feita a implantação? Quais setores primeiro e quais depois? Quando serão feitos os treinamentos?), Desenvolvimento (há alguma ação que precisa ser feita para que o SGA esteja plenamente implementado? É preciso, por exemplo, instalar redutores de água nos encanamentos?), Checar (depois de desenvolvido, o sistema precisa ser constantemente monitorado) e Atuar (algo não saiu como o esperado? É preciso solucionar o mais rápido possível. Houver algum imprevisto? É preciso estar preparado para agir).

pdca

E então, o que você achou dos Sistemas de Gestão Ambiental? Como você acredita que eles se aplicam à sua empresa? Você concorda que esse tipo de política é uma relação onde todos saem ganhando (empresa, comunidade e planeta)? Deixe seus comentários e participe deste debate conosco!

COMENTÁRIOS

Resultado da busca