Você Conhece os Diferentes Tipos de Águas?

Danos Ambientais Reaproveitamento de água Análise de Água Escassez de água

14 de Agosto de 2014

Água que nasce na fonte, águas escuras dos rios, águas que caem das pedras, no leito dos lagos ou pelas gotas das chuvas: assim como abordado na letra da famosa música “Planeta Água”, existem vários tipos do precioso líquido cuja existência é essencial para a vida na Terra. O próprio corpo humano conta com grande parte de água em sua composição: em um organismo adulto, o recurso chega a atingir 45 litros, sendo utilizado para quase todas as funções imprescindíveis para sua sobrevivência.

Dos diversos tipos de águas disponíveis na natureza, nenhum possui a mesma composição química de outro. Há uma classificação baseada nas características de sais dissolvidos no bem natural, ultrapassando a famosa fórmula composta por duas moléculas de hidrogênio e uma de oxigênio. As diferentes tipologias do recurso, de fato, variam de acordo com os elementos que o formam - algumas são próprias para consumo e outras prejudiciais à saúde humana. Confira os principais tipos de água e amplie seus conhecimentos sobre esse bem imprescindível para a vida no planeta!

Água mineral

Oriunda de fontes naturais ou artificiais, a água mineral tem propriedades terapêuticas por suas características químicas, físicas e físico-químicas. Própria para consumo, possui grande quantidade de minerais originados da natureza, contendo, no mínimo, 500 miligramas da substância por litro. As águas minerais estão no subsolo a grandes profundidades e sem a presença de poluição, sendo totalmente naturais e benéficas para o homem. O Estado de São Paulo possui uma região específica chamada Circuito das Águas, com várias cidades reconhecidas como as mais importantes na produção de água mineral no país.

Água potável

O termo “potável” diz respeito à água ratada ou retirada de fontes naturais, que é pura e destinada ao consumo humano. Para se encaixar nessa classificação, a água deve ser incolor (completamente transparente), inodora (sem cheiro), ser estéril (sem a presença de micróbios causadores de doenças) e conter determinados sais minerais naturais (nos dias de hoje, por exemplo, costuma-se acrescentar sais de  flúor para impedir a cárie dentária).

Água de fonte

É a água subterrânea que aflora na superfície e contém substâncias minerais e gasosas dissolvidas. A depender do principal mineral dissolvido no recurso, pode ser sulforosa, acídula, alcalina, magnesiana, radioativa ou termal, dentre outros tipos. Tem propriedades medicinais.

Água salobra

De aparência turva, esse tipo de água é levemente salgado e é impróprio para consumo humano. As águas salobras são facilmente encontradas em regiões de mangues.

Água contaminada

As águas de rios e lagos que recebem esgotos ou resíduos industriais se enquadram nessa categoria.

Água destilada

Com altas concentrações de hidrogênio e oxigênio, a água destilada é produzida de forma artificial em indústrias pelo processo de destilação. É destinada às baterias de automóveis ou utilizada como reagente.

Água salgada

São as águas dos oceanos e mares. Representam uma fonte importante de energia, emprego e alimento no Brasil, que possui uma extensa área costeira. Esse tipo do recurso contém uma grande proporção de sais, sendo o principal o cloreto de sódio (conhecido como sal de cozinha). Em países onde há a falta de água doce, é realizado um processo denominado de dessalinização da água do mar, tornando-a própria para o consumo.

Água poluída

É a água que está misturada a algum poluente, perdendo inclusive a cor natural. Geralmente, é encontrada em rios do entorno de grandes cidades, como é o caso do Rio Tietê, em São Paulo.

Águas residuais domésticas

São as águas provenientes de banhos, lavagens de pavimentos domésticos e cozinhas, ou seja, os resíduos da água utilizada em domicílios.  

Águas urbanas

Vindas das chuvas, lavagens de pavimentos, regas e outras atividades urbanas.

Cabe acrescentar que as águas residuais (domésticas e urbanas) contêm altas taxas de materiais poluentes que podem comprometer a qualidade da água dos rios e a fauna e a flora subjacentes, assim como importantes atividades que dependem do recurso, tais como a pesca, a geração de energia e a navegação. Por esse motivo, o encaminhamento desses efluentes para estações de tratamento adequadas se faz imprescindível.

COMENTÁRIOS

Resultado da busca