6 Soluções que Otimizam o Consumo da Água

Licenciamento ambiental Efluentes Industriais Qualidade da água

27 de Agosto de 2014

Crise hídrica, o assunto da vez. O cenário ainda assume maiores proporções porque não houve, na história recente de São Paulo, uma escassez de água tão grande quanto a atual. O problema colocou em pauta, mais do que nunca, uma medida fundamental que há tempos permeia as discussões dos ambientalistas e do governo: o consumo consciente. Sem uma readequação da postura de todos nós, não haverá como manter o nível de abastecimento do qual usufruímos nos dias de hoje - em consequência, muita gente vai ficar sem o precioso líquido para as tarefas mais cotidianas da vida doméstica. A questão é tão séria que a crise afeta também a economia, visto que muitas empresas dependem da água para seus processos produtivos e já dão os primeiros sinais de alerta.

Nesse quadro, se de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) cada pessoa precisa de cerca de 110 litros de água por dia para atender suas necessidades de consumo e higiene, os brasileiros consomem bem mais do que o necessário: são 200 litros médios diários gastos por cada habitante do nosso país. Alternativas contra o desperdício se fazem urgentes para enfrentar o cenário de escassez, o que envolve tanto a sociedade em seu dia a dia quanto os processos de produção das empresas e indústrias. Com isso em mente listamos, no post de hoje, 6 soluções que otimizam o consumo do bem natural. Confira!

Reúso de água

Com o tratamento da água residual advinda dos processos de indústrias e empresas, é possível reaproveitá-la em atividades como lavagens de pisos e irrigação de jardins. Vários Shoppings Centers pelo Brasil já adotaram o processo, aplicando a água reutilizada também em seus sistemas de refrigeração. A alternativa, chamada de reúso, otimiza custos e impacta positivamente o meio ambiente e a sociedade, evitando o uso de água nobre potável para funções que podem ser perfeitamente realizadas com o recurso tratado. Optando pelo reúso, um empreendimento de médio porte pode chegar a reduzir sua dependência de água potável em 50%, e os gastos com o tratamento é em média 30% mais baixo do que o da utilização do recurso nobre para atividades cotidianas.

Captação da água da chuva

Com a instalação de um sistema no telhado, é possível captar a água da chuva para a reutilização em tarefas do dia a dia que não exijam água tratada. Por meio de processos como o gradeamento, filtragem e desinfecção, é possível usar as águas pluviais que seriam desperdiçadas sem o seu armazenamento. Vale lembrar que a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) recomenda o uso das águas de chuva somente para fins não potáveis.

Captação de águas subterrâneas

Prática já usada pelos povos antigos entre 10 mil e cinco mil antes de Cristo, na Mesopotâmia (hoje Iraque) e China, a utilização das águas subterrâneas vem aumentando no Brasil desde a década de 60.  São águas provenientes de aquíferos, poços artesianos, semiartesianos e poços rasos (também conhecidos como cisternas, cacimbas ou amazonas). Essas águas podem ser utilizadas por meio do reúso com o objetivo de reduzir a captação convencional de águas, o volume de efluentes descartados e o próprio consumo do bem natural.

Tratamento de efluentes

O tratamento de efluentes deixou de ser apenas uma opção de investimento e tornou-se quase um imperativo para qualquer empresa que busque economia de água e consumo consciente, bem como atender à legislação ambientais. Vale reforçar que, ao contrário do que muitas pessoas ainda pensam, nem toda empresa precisa ter uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) própria. Há a opção de Tratamento de Efluentes Offsite, na qual a empresa encaminha seus efluentes para serem tratados em estações especializadas, terceirizando o serviço.

Dessanilização

Na solução de dessanilização da água, ocorre um processo físico-químico para retirar os sais presentes no recurso, tornando-o “doce” e próprio para fins potáveis não potáveis (o Brasil não permite o uso potável). Nesse sentido, dois processos são utilizados para dessanilizar a água: a evaporação (em que a água é colocada em um tanque específico e evaporada pelo calor do sol) e a osmose reversa (é exercida uma forte pressão na solução salina).

Captação de água de rios poluídos

Esta solução, inclusive, já vem sendo utilizada no estado de São Paulo em meio à crise hídrica, tendo em vista o esgotamento dos reservatórios para abastecimento da população. A alternativa consiste em captar água de rios poluídos para posterior tratamento, fazendo com que rios da Classe 4 (categoria na qual se encaixam as águas que não podem ser usadas para consumo) passem para a Classe 3, podendo ser tratados e distribuídos para a sociedade. Após captada, a água poluída é submetida ao processo de despoluição, que melhora sua qualidade e a torna apta para a função de abastecimento e reúso industrial.

Independente da crise hídrica no Estado de São Paulo, a economia de água e seu uso consciente é uma temática relevante dos nossos tempos, envolvendo todas as esferas da sociedade. Com o avanço das tecnologias ambientais, as empresas e indústrias têm a chance de adequar seus processos produtivos a um modelo sustentável e inserir seus negócios na agenda do século XXI, em que o desenvolvimento só é completo quando considera seus impactos na comunidade e no ecossistema.

COMENTÁRIOS

Resultado da busca