Conheça a Destinação Correta para os Efluentes da Indústria Siderúrgica

Destinação Correta de Efluentes Gestão de Resíduos Descarte de Esgoto

7 de Outubro de 2014

Toda atividade industrial acaba gerando efluentes durante os processos produtivos que podem contaminar o solo, o ar e a água. Nem todos são impactantes para esses ambientes. São as diferentes composições químicas, físicas e biológicas que determinam a potencialidade da toxicidade. O descarte de resíduos líquidos em rios ou na rede de esgoto sem o tratamento adequado é considerado crime ambiental e as empresas podem ser penalizadas com multas e até o encerramento das atividades ou mesmo a prisão de seus proprietários.

Somado a isso está o aumento da conscientização das pessoas, que faz as empresas se preocuparem com a destinação correta de seus efluentes. A siderurgia é a atividade mais poluente de todos os setores da indústria metalúrgica, pois a demanda por insumos e energia é muito grande e, por sua vez, gera enorme quantidade de resíduos, além de efluentes líquidos e gasosos.

O Brasil é um país com significativa participação no mercado mundial siderúrgico, exportando aço para mais de 100 países. São quase 30 siderúrgicas em território nacional. O setor gera, para cada tonelada de aço, 681 quilos de resíduos sólidos, sendo 95% deles reaproveitados.

Numa siderúrgica a água é um elemento de vital importância em boa parte dos processos, como por exemplo, na refrigeração da carcaça do alto-forno, na lavagem dos gases e na granulação da escória. Medidas como captação das águas de chuvas são feitas para etapas produtivas de resfriamento das unidades de processamento. A reutilização é feita e chega a alcançar 90% do setor.

Geração de resíduos no setor

Durante a fabricação do aço há a emissão de gases contaminados com material particulado (com minério, coque ou carvão), que ao ser purificado por filtros, precipitadores eletrostáticos ou úmidos acaba gerando efluentes líquidos. Os coques (tipo de carvão) são apagados, lavados e resfriados com um grande volume de água. Esses efluentes contêm elevadas concentrações de sólidos em suspensão. Já o carregamento do carvão nas baterias de coque, desenformamento, peneiramento e tratamento de água geram resíduos sólidos, como lama e poeira.

Outro tipo de resíduo gerado no processo é a escória, que é um sólido originado nos processos de redução do minério de ferro no alto-forno, que moída e granulada pode ser usada na indústria do cimento.

Tratamentos e destinação

Reciclagem, incineração, tratamentos físico-químicos e disposição final em aterros são os métodos mais utilizados para o gerenciamento dos resíduos sólidos.

As tecnologias dependem do grau de contaminação (periculosidade), teor de valores metálicos, características físicas do resíduo e capacidade de transformação química ou inertização. Em certos casos, lavadores de gases e precipitadores eletrostáticos são utilizados para o tratamento de gases.

Para as águas é necessário remover os sólidos em suspensão, óleos e alcatrão. Os processos biológicos – baseados na ação metabólica de microorganismos (bactérias) que estabilizam o material orgânico biodegradável em reatores compactos em ambientes controlados – são muito usados, bem como os tratamentos físico-químicos.

Os finos de coque podem ser usados na planta de sintetização e a lama pode ser reciclada e utilizada na própria coqueria. Efluentes tratados podem ser reutilizados como água de lavagem e uso em descargas ou mesmo nos processos industriais (enchimento de tanques de água de alimentação, caldeiras, condensadores, sistemas de resfriamento e refrigeração, entre outros).

O tratamento desses resíduos é um processo muito complexo, mas de vital importância para o meio ambiente. Você tem alguma dúvida sobre o assunto? Pergunte para a nossa equipe nos comentários!

COMENTÁRIOS

Resultado da busca