Entenda o que é estiagem e como ela pode trazer prejuízos para toda a economia

Escassez de água

1 de Dezembro de 2014

estiagem

“Por falta d'água perdi meu gado, morreu de sede meu alazão”. O clássico Asa Branca, composto e eternizado por Luiz Gonzaga, traduziu, por muitas décadas, a realidade do nordestino. Em pleno 2014, a população do Sudeste sente-se identificada com o sentimento de impotência ao ver a água cada vez mais escassa e a estiagem castigar toda a cadeia produtiva.

Não é nenhum exagero, pois já são 133 cidades atingidas pelo fenômeno e 27,6 milhões de brasileiros, que representam 23% do PIB do país. São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os Estados mais atingidos Destes, São Paulo é, de longe, o que tem a pior situação: 14% dos seus 645 municípios enfrentam algum tipo de dificuldade. O Maranhão é outro exemplo de estado que enfrenta situação semelhante e vê sua piscicultura agonizar. Os peixes estão tão pequenos que não alcançam porte para a venda. A água está tão rasa que a pesca pode ser feita com a mão.

O que é a estiagem

A estiagem é um fenômeno climático que tem como principal consequência a falta de chuva por períodos prolongados. Diferentemente da seca, que tem duração permanente, a estiagem é sazonal. Por conta da falta de água, principal impacto negativo da estiagem, a prioridade de abastecimento passa a ser o ser humano. É aí que a agropecuária, as indústrias e os serviços passam a ficar comprometidos.

Setores atingidos

O setor de energia sofre — para manter as térmicas ligadas e compensar a falta de água nas hidrelétricas, o governo teve que gastar R$ 49,4 bilhões no período de janeiro de 2011 até outubro de 2014. Em São Paulo, somente o setor de cana de açúcar perdeu 18% de sua receita.

Nos casos de redução da oferta de produtos agropecuários, há um aumento de preços, causando ainda impactos no PIB dos municípios. A estiagem levou os preços agropecuários a subirem 2,74%, sendo o grande impacto na inflação medida pelo Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) em novembro, conforme divulgou a Fundação Getúlio Vargas. Os pastos foram prejudicados, o que tornou os efeitos da entressafra sobre os preços de bovinos mais agudos. No indicador deste mês, a soja subiu 3,69%, o milho avançou 7,42% e os bovinos ficaram 4,44% mais caros.

Possíveis motivos para a estiagem

Os meses de setembro e outubro foram historicamente mais secos, o que, como são meses de transição para a época das chuvas, não é um bom sinal. Um sistema de alta pressão atmosférica que vem do oceano impediu que as frentes frias trouxessem umidade do Sul. Atipicamente, este fato ocorreu durante o verão (de janeiro a março) e ficou parado na região, impedindo as nuvens carregadas de chuva de se aproximar. Quando abril acabou, levou com ele a temporada de chuva. Um relatório recente da ONG WWF Brasil apontou o desmatamento da Amazônia como possível causa do fenômeno. Por conta disso, o Sistema Cantareira, responsável por abastecer São Paulo e a região metropolitana, caiu ao menor nível já registrado desde 1930.

Ainda tem alguma dúvida sobre a estiagem e seus impactos na economia? Deixe um comentário e participe da conversa!


COMENTÁRIOS

Resultado da busca