Os processos unitários de tratamento de efluentes e suas finalidades

Para o tratamento ideal dos efluentes industriais, é muito importante conhecer a característica do efluente e sua carga poluidora. Essa avaliação é feita através da coleta de amostra para análise, que irá avaliar sua carga orgânica ou tóxica, apontando o melhor tipo de tratamento, podendo ser físico-químico ou biológico.

Leia nosso artigo sobre A Importância da Caracterização dos Efluentes Industriais
Leia nosso artigo sobre A importância da escolha certa do tipo de tratamento de efluentes

Após a análise, o efluente passa por várias etapas de tratamento, dependendo do seu tipo de geração e características. Nesse artigo iremos citar algumas etapas desse processo, e suas principais finalidades.

Leia mais >>

Tags: Efluentes Industriais, processos de tratamento, processos de tratamento de efluentes

Os Segmentos da Indústria Alimentícia e Efluentes Gerados.

Toda indústria gera efluentes, o que difere uma da outra são suas particularidades, pois cada uma utiliza diferentes matérias-primas, tem diferentes processos de produção entre outros fatores.

Os efluentes da indústria alimentícia, por exemplo, possuem alta carga orgânica, e se lançados sem tratamento em rios podem resultar em mortandade do ecossistema aquático por conta do pouco oxigênio que fica disponível na água. Como todo segmento industrial, o ramo de alimentos também vem recebendo cobranças por processos sustentáveis não só por parte da sociedade, que exige empresas “verdes”, mas pela própria legislação, que possui multas pesadas para as empresas que poluem.

Por isso destinar corretamente efluentes é uma questão de sobrevivência! Confira alguns segmentos dessa indústria e seus efluentes.

Leia mais >>

Tags: Efluentes Industriais, offsite, OnSite, Industria Alimentícia, Alimentos, Geração de Resíduos, Resíduo Alimentício

Resíduos Classe I ou Resíduos Classe II: Qual é a diferença?

A periculosidade de um resíduo é classificada em função de suas propriedades físicas, químicas ou infectocontagiosas, podendo apresentar risco à saúde pública e ao meio ambiente, quando o resíduo é manuseado ou destinado de forma inadequada. A norma NBR 10.004, divide os resíduos sólidos industriais em duas classes I e II, como perigosos, não inertes e inertes.

Quais as principais diferenças?

CTA_facebook

Leia mais >>

Tags: Legislação Ambiental, Classificação de Resíduos, Efluentes Industriais, resíduos, NBR, Normas Ambientais

Como realizar o tratamento de efluentes contaminados com óleo?

Os óleos são substâncias líquidas e viscosas que estão presentes no cotidiano de todos nós e, dependendo da sua origem, podem ser empregados na culinária para o consumo e preparo de alimentos, ou pode ter uso industrial como lubrificante ou combustível, na manutenção de peças mecânicas e para refrigeração.

Todos os efluentes contaminados com óleos devem passar por tratamento antes de retornarem ao meio ambiente. Dependendo de sua origem, que pode ser vegetal ou mineral, os efluentes oleosos devem passar por processos físicos, químicos e/ou biológicos.

Tratamento de efluentes contaminados com óleos:

Óleos vegetais: por ser uma gordura extraída de plantas (em geral de frutos e sementes) e, portanto, biodegradável, é classificado pela sua periculosidade como classe II e pode ser destinado para o tratamento biológico, no qual bactérias degradam os contaminantes oleosos presentes no efluente.

Óleos minerais/sintéticos: esses óleos são produzidos no processo de destilação do petróleo ou são obtidos por reações químicas, no caso dos sintéticos. Por não serem biodegradáveis, são classificados pela sua periculosidade como classe I e devem receber tratamentos físico-químicos específicos para remover os óleos contaminantes. Industrias dos segmentos siderúrgicos, metalúrgicos, de auto-peças e usinagem, por exemplo, são grandes geradores desses efluentes oleosos.

Como proceder para realizar o descarte correto dos efluentes oleosos?

Se a sua empresa não possui uma estação de tratamento própria para efluentes oleosos, é possível desenvolver um parceiro que realize o tratamento de maneira eficiente e com custos atrativos para os clientes.  Nesse sistema de tratamento, denominado Offsite, os resíduos oleosos são coletados nas empresas e transportados até centrais de tratamento de empresas especializadas, na qual passam por processos físico-químicos para a remoção dos óleos emulsionados.

Qual o risco de descartar os efluentes oleosos sem tratamento no meio ambiente?

Quando esses resíduos são descartados in natura em rios e na rede de esgoto, além dos prejuízos à saúde e ao meio ambiente, as empresas responsáveis pela emissão podem responder a um processo administrativo e serem punidas com multas. Nos casos mais graves, pode haver a paralização ou o encerramento das atividades. 

No estado de São Paulo, a fiscalização e a aplicação da lei e suas normas é de responsabilidade da CETESB, como órgão do estado, ou do IBAMA.

Gostou do nosso post ou ainda tem alguma dúvida sobre os efluentes oleosos? Deixe um comentário!

New Call-to-action
Leia mais >>

Tags: CADRI, Legislação Ambiental, Classificação de Resíduos, Análises Laboratoriais, como tratar resíduos, Danos Ambientais, Efluentes Industriais, Descarte de Efluentes, Análise de Água, BOT, certificação norma ISO 14001, Efluentes Oleosos, Oleos, Oleo Mineral, Oleo Vegetal

Os efluentes da Indústria Metalúrgica

Efluentes industriais representam grande parte da poluição do meio ambiente por conta do uso de produtos químicos aliados ao alto consumo de água no processamento de matéria-prima. Os efluentes líquidos são águas que foram utilizadas em algum tipo de processo e se encontram contaminadas com substâncias como amônia e benzeno.

Na indústria metalúrgica isso não é diferente. Os resíduos gerados (como óleos e graxas, só para citar alguns) são os de Classe I, considerados perigosos, provenientes dos processos de lavagem das chapas, tornos e de pintura. No processo de galvanização, em que as peças metálicas recebem tratamento anticorrosivo, das quais são utilizados desengraxantes alcalinos e banhos de fosfato, é preciso lavá-las várias vezes até a água sair limpa, eliminando óleos, óxidos e tintas. Os compostos de metais pesados são tóxicos e alguns até cancerígenos. Por isso, o descarte de forma irresponsável em lençóis freáticos, rios e mares acarretam na contaminação dessas áreas.

Conheça mais sobre esse efluente e saiba como destiná-lo corretamente!

Planejamento ambiental

A responsabilidade pelo gerenciamento dos resíduos é do próprio gerador e a contratação de terceiros no processo de tratamento não o exime desta responsabilidade. Por isso, a empresa deve ter um plano de gerenciamento de seus efluentes analisado e revisado periodicamente para a melhoria contínua dos processos. A responsabilidade ambiental ultrapassa as barreiras da obrigatoriedade da lei e esbarra na cobrança – cada vez maior – da sociedade por empresas verdes. Num mercado globalizado como o de hoje, as empresas que não se adéquam às regras de sustentabilidade em seus processos perdem espaço e clientes.

O que diz a legislação brasileira

A Resolução CONAMA número 357/2005 especifica, em nível nacional, o tratamento dos efluentes antes de serem lançados em corpos receptores a fim de preservar o meio ambiente e a saúde da população. Já a resolução 430/11 regulamenta o padrão que os efluentes precisam alcançar para o lançamento em corpos hídricos. A empresa que desrespeitar está passível a multas e até ao decreto do fim de suas atividades. Vale lembrar que há ainda leis nos âmbitos estaduais e municipais a serem cumpridas.

Possibilidades de tratamento

O tratamento dos efluentes da indústria metalúrgica ocorre por processos físico-químicos, no caso, precipitação química, e também por processos biológicos. Também existe a possibilidade de serem utilizados agentes adsorventes, como carvão ativado e zeólitas de alumínio silicato, entre outros, para a possível remoção de contaminantes. Existem casos em que os efluentes tratados podem ser reaproveitados no próprio processo produtivo, como no resfriamento de misturas reativas. No caso do lodo, ele recebe um tratamento físico-químico e fica estocado em um tanque de decantação. O encaminhamento para uma Estação de Tratamento deve seguir à legislação e ser feito por empresa idônea e autorizada no transporte desses resíduos.

Com a escassez de água dos dias atuais, toda e qualquer possibilidade de reúso e preservação de mananciais e afins devem ser consideradas. O uso racional deste recurso deve ser visto com muito cuidado pelas empresas e fiscalizados pela sociedade ao adquirirem produtos oriundos de empresas ambientalmente responsáveis.

Tem alguma dúvida sobre o assunto? Comente!


Leia mais >>

Tags: destinação correta de efluentes, Resíduo Industrial, Efluentes Industriais, Resíduos de Classe I, Água Industrial, como fazer tratamento de água industrial, Descarte de Efluentes

Efluentes Oleosos: o que são e qual a destinação correta?

Efluentes oleosos são aqueles que resultam de processos que utilizam derivados de combustíveis fósseis como gasolina, diesel, óleo BPF etc. Há ainda águas oleosas oriundas da lavagem de pisos, tanques e peças, processos de usinagem, entre outros. Todos esses exemplos são gerados nas atividades industriais das mais variadas áreas.

Leia mais >>

Tags: Efluentes Industriais, qualidade da água, soluções ambientais

Efluentes domésticos e industriais: você conhece as diferenças?

O grande segredo para uma boa relação do ser humano com a natureza se baseia, principalmente, em duas questões: fazer um uso inteligente dos recursos naturais e destinar corretamente o material dispensável que produzimos ao utilizá-los. Na hora de destinar os resíduos gerados em nosso cotidiano, tanto os provenientes dos processos industriais quanto os domésticos, é preciso saber exatamente como fazê-lo, reduzindo ao máximo seu impacto nos ecossistemas.

Leia mais >>

Tags: Como Preservar o Meio Ambiente, Efluentes Industriais, como fazer tratamento de água industrial, Descarte de Efluentes, meio ambiente, Descarte de Esgoto, estação de tratamento de efluentes

6 Soluções que Otimizam o Consumo da Água

Crise hídrica, o assunto da vez. O cenário ainda assume maiores proporções porque não houve, na história recente de São Paulo, uma escassez de água tão grande quanto a atual. O problema colocou em pauta, mais do que nunca, uma medida fundamental que há tempos permeia as discussões dos ambientalistas e do governo: o consumo consciente. Sem uma readequação da postura de todos nós, não haverá como manter o nível de abastecimento do qual usufruímos nos dias de hoje - em consequência, muita gente vai ficar sem o precioso líquido para as tarefas mais cotidianas da vida doméstica. A questão é tão séria que a crise afeta também a economia, visto que muitas empresas dependem da água para seus processos produtivos e já dão os primeiros sinais de alerta.

Leia mais >>

Tags: licenciamento ambiental, como tratar resíduos, Efluentes Industriais, como fazer tratamento de água industrial, qualidade da água, meio ambiente, estação de tratamento de efluentes industriais

Os diferentes tipos de resíduos: Sólidos Urbanos, Industrial, Hospitalar, Agrícola e Líquido

Leia mais >>

Tags: Gestão de Resíduos, Classificação de Resíduos, Efluentes Industriais, Plano de Gestão de Resíduos

Poder público aumenta fiscalização de esgoto industrial

Leia mais >>

Tags: resíduos sólidos, ETE Industrial, Resíduos Industriais, Efluentes Industriais, esgoto industrial