A poluição e a chuva ácida

poluio

A chamada Chuva Ácida é a precipitação pluviométrica com presença de gases poluentes, que são derivados da queima de combustíveis fósseis. Essa chuva é formada por diversos ácidos, como por exemplo, o óxido de nitrogênio e os dióxidos de enxofre.

Na verdade, a chuva naturalmente já é ácida, por conta da presença de CO2 na atmosfera. Com uma acidez baixa essa chuva não traz mal algum para a natureza, porém o aumento da poluição atmosférica faz o pH da água da chuva cair, e se tornar extremamente ácido. Embora não haja dados concretos, estima-se que esse fenômeno tenha começado com a Revolução Industrial e a crescente queima dos combustíveis fósseis.

Os efeitos da chuva ácida

Os efeitos mais nocivos da chuva ácida podem ser sentidos no meio ambiente. Em um lago, por exemplo, o pH para que haja vida deve estar em torno de 6,5. A chuva ácida irá alterar esse fator, fazendo o pH cair e ficar mais ácido, podendo ocorrer morte de todos os seres vivos desse meio.

Além disso, essa chuva causa à acidificação do solo, o tornando improdutivo e mais suscetível a erosão. A acidez do solo é a maior causa da desertificação da cobertura vegetal em diversos países, e também uma das principais responsáveis pelo desmatamento da Mata Atlântica.

Para o homem o acúmulo de dióxido de enxofre no organismo pode levar à formação de ácidos no corpo humano e causar danos irreversíveis aos pulmões. Na Inglaterra, em 1952, na cidade de Londres, cerca de 4000 pessoas morreram por causa da emissão de dióxido de enxofre pela queima de carvão nas indústrias e nas casas.

O pior é que nem sempre a chuva ácida cai sobre o local onde foi feita a emissão do poluente, como essas substâncias estão em forma de gás, elas podem ser transportadas pelo vento por quilômetros de distância antes de cair em forma de chuva. O que aumenta o nível de alcance desse fenômeno. 

CTA_facebook

Tags: chuva, chuva ácida, ppoluição

As geleiras e sua importância para a manutenção da vida na terra

geleiras 

As geleiras são basicamente uma enorme massa de gelo composta por uma grande quantidade acumulada de neve. Por conta do seu tamanho, sua formação leva muito tempo, podendo chegar até 30 mil anos para a formação de seu corpo.

A formação de uma geleira ocorre nos polos do globo terrestre, onde são encontradas as menores temperaturas. Nesse ponto do globo a água sofre um processo de arrefecimento e cristalização. No caso das geleiras, as moléculas de água vão se aproximando e endurecendo, dando origem assim aos cristais de gelo, que vão sendo depositados em camadas à superfície da terra, podendo atingir grandes espessuras. O gelo, então originário dessa atividade natural, passará a ter uma temperatura de fusão extremamente baixa, atingindo centenas de graus abaixo de zero.

Mas afinal, qual a importância das geleiras?

A Antártica, com cerca de 14 milhões de quilômetros quadrados, é a maior geleira terrestre. Ela abrange cerca de 90% do gelo de todo o planeta. Outras geleiras de grande destaque e importância são a Groelândia, Ártico, Patagônia entre outras.

Por concentrarem quase 70% da água doce do planeta, as geleiras são de suma importância para a manutenção da vida na terra. O degelo das geleiras, além de reduzir a quantidade de água doce, desencadeia uma série de problemas socioambientais: aumento do nível e alteração da temperatura das águas dos oceanos, redução da biodiversidade, inundações etc.

As geleiras estão sumindo

Segundo estudos, entre 1992 e 2011, as geleiras da Groelândia perderam em média 152 bilhões de toneladas de gelo por ano. O calor não teve níveis tão alarmantes no outro polo, mas ainda assim as geleiras situadas na Antártica derreteram cerca de 71 bilhões de toneladas de gelo.

O resultado dessa ação é que as geleiras contribuíram com o aumento de 11,1 milímetros no nível do mar desde 1992!

Portanto, o aquecimento global tem consequências extremamente negativas para a vida humana. São necessárias medidas urgentes para amenizar o processo de alteração climática, como por exemplo a redução da emissão de gases responsáveis pela intensificação do efeito estufa, garantindo assim uma relação harmoniosa entre homem e natureza.

CTA_facebook

As vantagens do Filtro de Barro

post_filtro_de_barro

Em sua opinião, qual o melhor filtro de água para ter em casa?

Nada de purificadores, filtro em torneira e muito menos galões de água mineral. O melhor mesmo para limpar as impurezas da água é o bom e velho filtro de barro. Uma pesquisa mostrou que os filtros à vela, que nada mais são que as câmaras de filtragem de cerâmica, são muito mais eficazes na retenção de cloro, pesticidas, ferro, alumínio, chumbo (95% de retenção) e ainda retém 99% de Criptosporidiose, um parasita que causa doenças no sistema digestório.

O sistema utilizado há anos por vários brasileiros para filtrar água é considerado um dos mais eficientes do mundo!

Mas afinal, qual a diferença?

Os filtros de barro trabalham basicamente com um filtro interno feito de cerâmica,  esse filtro é comumente chamado de vela, e muitas vezes essa “vela” é preenchida de carvão ativado.

Parte-interna-do-filtro-de-barro.

A filtragem da água acontece por conta da porosidade da cerâmica. Por ser microperfurada a água passa por dentro da cerâmica e sai sem impurezas do outro lado, já que as partículas sólidas ficam retidas na vela. Porém, a cerâmica irá filtrar apenas as partículas sólidas, mas não os gases, e nem o excesso de cloro usado para o tratamento da água que chega até a torneira. Essa é a função do carvão ativado, deixar a água limpa, sem cheiro e sem gosto algum.

Já os purificadores comuns funcionam de maneira diferente.  No filtro de barro, quem faz a água passar pelas velas cerâmicas é a gravidade, nos purificadores quem faz essa função é a própria pressão da água. Ou seja, entra mais água do que realmente cabe no purificador, o que força a água a passar pelos micro furos com mais agilidade.

A superioridade do filtro de barro

Devido a água passar naturalmente pela cerâmica, a capacidade das impurezas ficarem retidas no filtro de barro é muito maior. Esse sistema acaba sendo mais demorado, e a pressão que é exercida pelo fluxo da água é maior, ou seja, o filtro consegue reter os microrganismos e sedimentos.

Além de tudo, o filtro de barro leva a vantagem de não precisar de energia para funcionar, e ter a manutenção mais simples.

Fonte: Ambiental Sustentável

CTA_facebook

Tags: água, filtro de água, filtro a vela

O fim dos lixões

lixoes

O Brasil possui cerca de 2.906 lixões em atividade, e das 189 mil toneladas de resíduos sólidos produzidos por dia apenas 1,4% é reciclado. Para tentar mudar esse cenário a Conferência Nacional do Meio Ambiente tem como meta acabar com os lixões e aumentar o percentual de reciclagem.

Esse tema ganhou destaque após a publicação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que determina que todos os municípios tenham um plano de gestão de resíduos sólidos para ter acesso a recursos financeiros do governo federal e investimento no setor.

A PNRS tem como prioridades a redução do volume de resíduos gerados, a ampliação da reciclagem, aliada a mecanismos de coleta seletiva com inclusão social de catadores e a extinção dos lixões. Além disso, prevê a implantação de aterros sanitários que receberão apenas dejetos, aquilo que, em última instância, não pode ser aproveitado.

Apesar de todo o esforço em torno desse assunto, o prazo para acabar com os lixões de todo o país já foi adiado diversas vezes.

O desafio é grande.

Além do altíssimo número de lixões espalhados pelo Brasil, quase 3 mil ao todo, apenas 27% das cidades têm aterro sanitário e somente 14% dos municípios brasileiros fazem a coleta seletiva do lixo.

A proposta é que os resíduos sejam transformados em matéria prima, para que o meio ambiente não seja tão pressionado. O Brasil perde poder econômico com a não reutilização de produtos. Ainda, segundo o MMA, os resíduos reaproveitados podem valer aproximadamente R$ 8 bilhões por ano.

Os aterros ainda deverão seguir as regras impostas, como serem forrados com manta impermeável para evitar a contaminação do solo. O chorume, líquido liberado pela decomposição do lixo, deverá ser tratado. O gás metano que resulta da decomposição do lixo, que pode explodir, terá que ser queimado.

Qual a diferença entre Aterro Sanitário e Lixão?

O lixão é basicamente um espaço destinado para receber lixo. Ou seja, nada é planejado para abrigar os resíduos de forma menos agressiva ao meio ambiente. O chorume não é tratado, o que acaba contaminando o solo e a água. Os resíduos ficam a céu aberto.

Já o aterro sanitário é projetado para receber o lixo de forma correta. O solo é impermeabilizado por uma base de argila e lona plástica, o que não permite que o chorume contamine o meio ambiente. Diariamente, o material é aterrado por equipamentos específicos para este fim. No aterro também existem tubulações que captam o metano, gás que é liberado pela decomposição de matéria orgânica, e que pode ser usado para gerar energia.

CTA_facebook

Tags: aterro sanitário, meio ambiente, lixão

Os Rios Voadores e a Importância da Floresta Amazônica

capa-3

Você já ouviu falar sobre os Rios Voadores?

São chamados de rios voadores os cursos de água atmosféricos, que são formados por massas de ar carregadas de vapor de água. Essa tal corrente de ar invisível, levada pelos ventos, passa por cima de nossas cabeças e carrega a umidade da Bacia Amazônica para o Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil.

Essa umidade, quando encontra situações climáticas propícias, se transforma em chuva. Portanto, esse transporte de enormes quantidades de vapor d’água, que recebe o nome de Rios Voadores, se torna um fenômeno real que exerce um impacto significante em nossas vidas.

A importância da Floresta Amazônica

A Floresta Amazônica se transforma em uma espécie de “bomba d’água” que puxa para o continente a umidade que evaporou do oceano Atlântico e foi carregada pelos ventos.  Ao seguir seu curso, a umidade acaba caindo como chuva sobre a floresta.

Pela ação da evapotranspiração das árvores, a floresta devolve essa água da chuva para a atmosfera em forma de vapor de água. E, desta forma, ajuda a manter a umidade do ar, que continua sendo transportado para o oeste e cai como chuva mais adiante. 

rios-que-voam-Meio1-1

Fonte: www.planetasustentavel.com.br

Ao serem soprados em direção ao oeste, os Rios Voadores, que estão carregados de umidade que veio boa parte da evapotranspiração da floresta, encontram uma barreira natural formada pela Cordilheira dos Andes. Os rios se precipitam de forma parcial, e formam as cabeceiras dos rios amazônicos. Porém, ao serem barrados pelo paredão de 4.000 metros de altura, os Rios Voadores, que ainda estão carregados de vapor de água, fazem curva e partem em direção ao sul, rumo às regiões do Centro- Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, e também aos países vizinhos.

Por conta desses fatores, o regime de chuva e o clima que encontramos em nosso país devem muito a esse “acidente geográfico”. A chuva tem uma função vital tanto para a vida humana como para a economia, e por incrível que pareça, a quantidade de vapor de água evaporada pelas árvores da Floresta Amazônica pode ter a mesma ordem de grandeza, ou mais, do que a vazão do rio Amazonas (200.000 m3/s).

CTA_facebook

Tags: rios voadores, formação de chuva, cordilheira dos andes, evapotranspiração

A segurança hídrica nos meios urbanos

segurana_hidrica


A Lei das Águas, criada em 1997, tem como objetivo promover a disponibilidade de água e a utilização racional e integrada dos recursos hídricos para a atual e as futuras gerações. Porém, podemos perceber que a lei não acompanhou o avanço populacional.

Podemos notar esse fato quando nos deparamos com a realidade do fornecimento de água para o abastecimento urbano nas grandes cidades. A escassez e a perda de água potável são visíveis e preocupantes.

É nos grandes centros urbanos que os conflitos pelo uso da água são mais intensos, e é também onde podemos ver ações mais severas que comprometem a qualidade das águas, como por exemplo, o uso e ocupação do solo no entorno das bacias de forma desordenada.

Quando a chamada Lei das Águas foi criada, foi tirada a responsabilidade dos municípios sobre as águas, tomando como base que a água não respeita as delimitações administrativas humanas. Porém, enquanto as águas são de domínio da união e Estados, os municípios são responsáveis pelo uso e ocupação do solo, atividades que impactam significantemente a qualidade das águas.

Citando o cenário mundial, segundo dados da ONU mais de 50% da população vive nas cidades e, a cada segundo a população urbana tem um incremento de mais 2 pessoas. No Brasil já estamos com 85% da população em centros urbanos, sendo que deste total 50% está em centros acima de 250.000 habitantes. O problema fica ainda mais claro quando 47% dos municípios brasileiros necessitam ampliar o sistema de fonte de água, manancial de abastecimento ou mesmo a busca por novos mananciais. Os municípios que usam somente mananciais de água superficiais representam 47%, segundo dados disponibilizados pela ANA (Agência Nacional das Águas).

E o problema não para por aí, quanto mais água é fornecida para a população, maior será o impacto direto na produção do esgoto. Assim, se considerarmos que no Brasil, em 2010, possuíamos 61% de coleta de esgoto e desta parcela apenas 29%  era tratado, podemos enxergar um impacto ainda maior na qualidade das águas.

Ao citar crescimento urbano, não podemos falar apenas em abastecimento de água potável, ou no investimento necessário na coleta e tratamento de esgoto. Os impactos indiretos também devem ser lembrados, como a crescente demanda de energia elétrica, a captação de água para resfriamento de caldeiras, entre outras demandas de usos industriais, assim como o uso de água na indústria alimentícia, desde irrigação até aos processos finais. Esses fatores constituem a chamada água virtual, que é tão importante quanto a água consumida diretamente.

Levando em consideração todos esses fatores, o Governo do Estado deu início ao Plano de Bacia Hidrográfica no ano de 2011, sendo aprovado em 2013. Este tem como finalidade assegurar as metas e os usos, de forma quantitativa e qualitativa, das águas. Um excelente caminho para criar horizontes de restauração da qualidade das águas.

Fontes: Águas do Brasil | aguasdobrasil.org
INEMA (http://www.inema.ba.gov.br/)

CTA_facebook

Tags: abastecimento, meio urbano, segurança hídrica

A Água Invisível

post_jeans


O valor das coisas que você compra pode ser muito maior do que você acha que está pagando. Naturalmente, nos ignoramos os custos que estão escondidos além da lei da oferta e da procura.

A Calça Jeans

Até você aposentar de vez sua calça jeans, você já terá usado cerca de 5460 litros de água, isso considerando que ela seja lavada uma vez por semana. Essa quantia é equivalente a 83 banhos de 7 minutos cada um. Terá emitido cerca de 32,5 kg de CO2, o equivalente ao carbono sequestrado por seis árvores por ano.

E mais: A calça jeans que você compra está encharcada com 11 mil litros de água!

Esse é o consumo que não conseguimos ver. 11 mil litros é a quantidade de líquido que é utilizada no processo de produção de um par de jeans. Daria para encher um caminhão pipa. Enquanto essa quantidade de água é gasta para alguns fins, de outro lado um bilhão de pessoas não têm acesso à água potável. Quatro mil crianças morrem todos os dias por doenças provocadas por água contaminada e muitas guerras provocadas pela água já estão sendo travadas.

1,5 bilhão de jeans confeccionados anualmente consumiria 5,2 trilhões de litros de água, nada menos do que o equivalente a 11 horas ininterruptas da vazão média do Rio Amazonas no mar, de acordo com a Agência Nacional de Águas.

Indo além dos gastos com água, sua calça jeans leva cerca de 400,2 megajoules de energia elétrica (na lavagem e na hora de passar), o suficiente para assistir a uma televisão de plasma por 318 horas direto.

O algodão

Um dos maiores vilões relacionados ao gasto de água com as calças jeans é o algodão. O cultivo de algodão utiliza água de modo intensivo, assim como fertilizantes. Quase 15% da água utilizada em produtos com algodão vêm do total usado para diluir a água servida saturada de fertilizantes, assim como a água que é usada para transformar o algodão em tecido. O denim feito majoritariamente de algodão recebe 25% dos agrotóxicos consumidos no mundo.

Não, seu jeans desbotado não é amigo do meio ambiente.

Fonte: Revista ecológica

CTA_facebook

Tags: meio ambiente, água invisível, calça jeans, água virtual

Lei das Águas

capa-1

O Brasil possui 12% de toda a água doce do planeta, contando com a bacia do São Francisco e Paraná, e também possui 60% da bacia amazônica. Em nosso país, o volume de água por pessoa é 19 vezes superior ao mínimo estabelecido pela Organização das Nações Unidas.

Apesar de contarmos com essa abundância, os recursos hídricos não são inesgotáveis. A água não é fornecida da mesma maneira para todas as regiões, sendo que as condições geográficas e condições climáticas interferem em sua disponibilidade.

Criada em 8 de janeiro de 1997, a lei nº 9433, mais conhecida como Lei das Águas, tem como objetivo promover a disponibilidade de água e a utilização racional e integrada dos recursos hídricos para a atual e as futuras gerações.

A lei tem como base o fato de a água ser um bem público, que não pode ser privatizado, e sua gestão deve ser baseada em usos múltiplos (abastecimento, energia, irrigação, indústria etc.) e também deve ser descentralizada, tendo a participação de usuários da sociedade civil e do governo. Em caso de escassez, a lei assegura que o seu uso é prioritário para o consumo humano e de animais.

Por descentralizar a gestão da água, o Estado abre mão de uma parte dos seus poderes e compartilha com vários segmentos da sociedade uma participação ativa nas decisões.

Assegurar o acesso a água conforme previsto na lei é um desafio, devido a execução e efetividade de gestão, que muda de acordo com o estado, com níveis diversos de investimento e sistema de monitoramento.

  CTA_facebook

Tags: água, água doce, abastecimento, lei das águas

A população e a produção de lixo eletrônico

elixo

O destino da produção de lixo urbano é um fator que deve ter a atenção tanto dos órgãos públicos, quanto da própria população.

A sustentabilidade e responsabilidade social são fatores que estão diretamente ligados ao crescimento populacional. É importante frisar que a mobilidade social e o aumento do poder aquisitivo alimenta a sociedade de consumo, o que mantém a rotatividade na compra e no descarte de produtos.

Com um mercado que se movimenta com cada vez mais frequência, a sociedade atual compra e se livra de suas “tralhas” cada dia mais rápido. O Brasil é um dos países emergentes que geram mais toneladas de lixo eletrônico (tv, celular e impressoras). Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), o país não tem estratégia para amenizar o problema, e a maior preocupação é por conta dos tóxicos que são usados e prejudicam o meio ambiente e o ser humano. Por ano, cada brasileiro descarta cerca de 0,5 kg de lixo eletrônico.

Para conter o crescimento do lixo eletrônico, seria importante realizar um serviço de logística reversa do material. Já que, além do grau de toxidade, os equipamentos descartados têm valor econômico, pois podem conter materiais valiosos e raros. Ainda de acordo com o Pnuma (o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), o mundo produz entre 20 a 50 milhões de toneladas métricas de e-lixo todos os anos.

 

lixo-paises

DADOS RELACIONADOS AO ANO DE 2011

 

A fabricação de telefones celulares e computadores pessoais consomem 3% de todo o ouro e prata extraídos em todo o mundo anualmente. Na fabricação de computadores e celulares, por exemplo, são usados vários metais, entre eles ouro, prata, gálio, índio, chumbo, cádmio e mercúrio. Alguns são agentes cancerígenos, como o cádmio, outros, como o chumbo, prejudicam o cérebro e o sistema nervoso.

Uma ferramenta chamada E-waste World Map mapeou a quantidade de lixo produzida em cada país e concluiu que no ano de 2012, a produção de e-lixo quase atingiu a marca de 48 milhões de tonelada, o que representa uma margem de 7kg por habitante.

Se continuarmos nesse ritmo, em 2017 o país terá que suportar 65,4 milhões de toneladas de lixo eletrônico, o que daria para encher cerca de 200 edifícios como o Empire State, nos EUA.

CTA_facebook

Tags: logística reversa, coleta de lixo, lixo eletrônico, e-lixo

O valor da água engarrafada: Você paga caro pelo o que sai da sua torneira

capa_post_garrafa

 

Em pesquisas realizadas por Annie Leonard sobre essa questão, ele chega à conclusão que o oportunismo que cerca a água engarrafada começou na década de 70, depois que o refrigerante começou a perder vendas. Ninguém mata a sede com refrigerante.

Pessoas que passaram por testes, escolheram, sem saber, a água de torneira sendo a mais saborosa, além disso, o estudo comprova que a água de torneira possui maior qualidade energética.

Quando a água é vendida em mercados, algumas pessoas podem pensar que estão adquirindo um produto fresco, saudável e puro. Mas a grande realidade é que só estamos comprando de volta o que sai de nossa torneira, com um preço mil vezes maior que o custo. E a água da torneira não é apenas melhor para você, os custos e impactos ambientais para embalar a água engarrafada também é um problema que necessita de atenção.

Para entender melhor o impacto das garrafas plásticas no meio ambiente, é bom dar uma olhada em algumas estatísticas:

 

garrafa

Mas afinal, qual o motivo das pessoas continuarem consumindo a água “industrializada”? 

Isso se deve ao gosto e conveniência do consumidor, embora a água que encontramos nas torneiras seja muito segura, ela pode conter traços de minerais e cloro, o que pode a deixar com um gosto estranho. Porém, esse fator pode ser facilmente resolvido com o uso de filtros baratos.

E é claro que é sempre bom levar água junto com você quando não está em casa, ou praticando algum tipo de exercício. Mas é bom lembrarmos que para isso existem garrafas reutilizáveis, que você pode simplesmente encher usando água da sua torneira ou filtro, sem pagar mais caro por isso, e sem prejudicar o planeta.


Fonte: Portugal Mundial | Planeta Sustentável

CTA_facebook

Tags: você paga caro pela água, água de garrafinha, o valor da água